quinta-feira, 18 de agosto de 2011

DRAMAS DE FAMÍLIA

Jesus continuou: "Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao seu pai: ‘Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles. Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente".

Texto: Lc. 15:11-13

No cap. 15 do Evangelho de Lucas temos a parábola do Filho pródigo contada por Jesus. Nela encontramos a história de um pai que tinha dois filhos.
Num certo dia, o filho mais novo dirigiu-se ao pai e disse-lhe que queria a parte de sua herança antecipadamente. O pai fez como o filho havia pedido e lhe deu a parte dos seus bens.
O jovem foi embora para uma terra distante, onde gastou tudo que recebera do seu pai, de maneira inconsequente.
Sem nada, e vivendo como um indigente, o rapaz começou a pensar, arrependido, em tudo que havia feito ao deixar levianamente a casa de seu pai. E assim, resolveu retornar na esperança de que seu pai o recebesse, pelo menos como um dos seus empregados.
Ao retornar e ao ser recebido pelo pai, confessou: “Pai, pequei contra Deus e contra o senhor e não mereço mais ser chamado seu filho. Aceite-me como um dos seus trabalhadores”. v. 21
O pai o recebeu com alegria e com festa em sua casa!
Apesar disso, o irmão mais velho ao retornar do trabalho, percebendo a festa que o seu pai estava fazendo para o seu irmão, ficou muito irritado, sentindo-se injustiçado com aquela atitude.
Por outro lado, num gesto de amor e grandeza, o pai disse ao filho mais velho: “Meu filho, você está senpre comigo, e tudo o que é meu é seu,.
Mas era preciso fazer esta festa para mostrar a nossa alegria. Porque esse seu irmão estava morto e reviveu; estava perdido e foi achado”. V. 31-32

Que lições podemos tirar dessa parábola de Jesus?
A princípio, a parábola nos ensina que Deus é o Pai, cujo amor aceita o pecador, embora repudie o pecado. Essa atitude de Deus como Pai, supera a atitude humana quando discrimina o próximo por causa do seu pecado.
Jesus mostra, portanto, que o amor de Deus é maior do que a desgraça que o pecado pode causar ao ser humano.
Mas essa parábola também nos permite perceber os dramas da família do Filho Pródigo, implícitos nessa história:
Inicialmente percebemos:
I – OS DRAMAS DO FILHO MAIS NOVO.
1.      Este sentia necessidade de sair.
Talvez por não aguentar mais a rotina da casa paterna, ou por desejar ter mais liberdade para novas aventuras e paixões, de maneira consumista (veja-se, por exemplo, que ele gastou tido quanto tinha).
2.      Como filhos de Deus, muitas vezes, também já não aguentamos mais a “casa do Pai”.
De um modo geral queremos o máximo de liberdade! E a exemplo do Filho Pródigo também queremos ter novas aventuras e paixões.
E quando agimos assim, em consequência, geralmente perdemos e pagamos caro pelos nossos desmandos.
Experimentamos as dores da fuga, pois gastamos o que temos de maneira inconsequente. Perdemos bens e valores, perdemos família e amigos – gastamos nossos talentos, nossa saúde.
E longe de Deus como Pai, sentimos falta de carinho e atenção, de compreensão e solidariedade.

Em seguida, são evidentes também na parábola:
II – OS DRAMAS DO FILHO MAIS VELHO.
1. Ele se indignou com a atitude do Pai, considerando-o injusto.
Pois depois de tudo que o irmão havia feito de errado ainda o recebeu com festas.
O “filho mais velho” é o exemplo típico de muitos filhos em nosso mundo, cujo comportamento é marcado pela intolerância, pelo acúmulo de más idéias, por interesses mesquinhos e pelo desprezo em relação ao que errou. Muitas vezes também agimos assim com Deus e com os de nossa família.
Podemos até demonstrar que temos uma vida religiosa equilibrada, mas em momentos extremos agimos de maneira interesseira,
Com chantagens emocionais que defende uma religião de trocas, como pretendia o irmão mais velho da parábola, ao pensar em ganhar pelo menos um cabrito como recompensa pela sua fidelidade à casa do pai.

Finalmente a parábola nos permite ver:
III – OS DRAMAS DO PAI.
Dramas como muitas vezes são os dramas dos pais no mundo em que vivemos.
Percebemos aqui um pai inconformado com a saída intempestiva do filho que vai morar numa terra muito distante.
Isso não somente mostra o drama dos pais em geral em situações semelhantes, como e principalmente, o inconformismo de Deus quando nos afastamos dele para ter uma vida rebelde, libertina, irresponsável.
Por isso a parábola diz que o pai estava atento a qualquer sinal de mudança e retorno do filho à sua casa.
Era um pai em expectativa e que, ao perceber que o filho estava regressando de sua aventura e infortúnio, não esperou que ele percorresse todo o caminho de volta e foi ao seu encontro para ajuda-lo a chegar para viver a verdadeira paz.
Deus como Pai, tem o seu coração movido pelo grande amor que tem por nós.
Um amor que perdoa, compreende, que nos recebe como somos e nos garante a alegria da festa da salvação, mesmo sem a merecermos.
Esse exemplo de amor que Deus nos dá, deve servir de exemplo para a nossa via e testemunho, sem o que não haverá paz e vida abundante neste mundo.

Que Deus te ajude a...
Amar a casa do Pai e não abandoná-la como fez o filho mais novo. 
A ser generoso(a) e perdoador(a) com aqueles que erram e não mesquinho(a) e intolerante como o filho mais velho.
Ter o coração movido pelo amor. Amor que perdoa, compreende e aceita as pessoas como são assim como Ele age para conosco.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

MULHER......DEUS TE VÊ


Então Agar deu ao SENHOR este nome: “O Deus que Vê.” Isso porque ele havia falado com ela, e ela havia perguntado a si mesma: “Será verdade que eu vi Aquele que Me Vê?”
Gn. 16:13

-         Hagar, a escrava egípcia de Sara, havia fugido para o deserto a fim de fugir das dificuldades de sua vida doméstica;
-         Ela se encontrava arrasada, sem nenhuma esperança, quando o anjo do Senhor a encontrou;
-         Hagar não teve dúvidas sobre o que havia acontecido: ela avistara a encarnação do próprio Deus, uma visão de força e graça, de misericórdia e fé, um verdadeiro anjo de esperança!
-         Hagar, neste momento, se defrontou com dois fantásticos atributos de Deus: a onipresença e a onisciência.

O que Deus, em sua onipresença viu de Hagar?

o       Sua aflição
o       Suas lutas
o       Seus sofrimentos físicos
o       Suas necessidades.

E como Ele lhe respondeu?
o       Mostrando-lhe que ela era importante para Deus, e que Ele estava pronto a ajudá-la;
o       Tendo compaixão dela;
o       Orientando-a quanto à atitude que precisava tomar;
o       Provendo o que ela necessitava;
o       Dando-lhe  uma promessa de descendência.


Quando ninguém enxergar suas lutas, dificuldades e impossibilidades, busque esperança e conforto no fato de que o Deus Onisciente e Onipresente é o Deus que te vê, tem compaixão de você e te considera uma pessoa muito importante! Ele quer te orientar e prover suas necessidades! Confie sua vida a Ele!
I Pe. 3:12 diz: “Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos”.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

FESTA EM CASA


"Ou, qual é a mulher que, possuindo dez dracmas e, perdendo uma delas, não acende uma candeia, varre a casa e procura atentamente, até encontrá-la?
E quando a encontra, reúne suas amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrem-se comigo, pois encontrei minha moeda perdida’. 

Lucas 15.8-10

Neste texto a alegria é notória e contagiante. É a alegria do encontro, da suficiência e da realização. Esta alegria se opõe ao caos, a dor e a tragédia. É alegria que empurra o desespero para longe. É alegria que expulsa a tristeza.
Uma das coisas mais importantes para mim neste texto é que aqui encontramos alegria transbordante no lugar onde mais precisamos vê-la transbordar: em casa.
Quanto ao texto é óbvio que o ensino de Jesus aqui não se refere à família, mas ensina sobre o amor de Deus aos perdidos, ele usa uma figura, uma parábola cheia de verdades e que se encaixa muito bem na realidade de muitos lares.
Alguns lares não podem festejar porque se encontram debaixo de tragédia e destruição ou empobrecidos por isso a primeira coisa que quero dizer é:

A tragédia dentro do lar começa quando perdemos alguns  valores.
O texto diz que a mulher possuía dez dracmas e não sabemos
como ela perdeu uma. Aquele dinheiro iria sustentar a casa, comprar o necessário, mas agora uma moeda de valor estava perdida. Havia dez dracmas, a mulher perdeu apenas uma, mas foi o suficiente para ela se colocar numa busca desesperada. E um detalhe que enriquece nosso conhecimento é que esta moeda era uma das que tinham o menor valor da época
Assim como no lar daquela mulher algo de valor foi perdido, talvez em sua casa também se perderam alguns valores.
Talvez você possa achar que os valores perdidos sejam coisas pequenas demais para "se perder tempo" falando, buscando, tentando reviver.
Cuidado: um grande incêndio começa com uma pequena faísca. (olhe o exemplo dos animais da floresta que queriam derrubar uma arvore, mas não conseguiam, todos tentaram, mas em vão até que os cupins pediram o prazo de seis meses para derrubarem aquela arvore sozinhos, depois do prazo, os animais voltaram e encontraram a arvore, outrora imponente, deitada no chão).
Eu sei que você sabe, mas às vezes nos esquecemos, que em nosso lar existem certos valores que não podem ser perdidos caso contrário o lar vai ficando cada vez mais pobre e vulnerável a destruição.

Confira os valores de teu lar e veja se algum foi perdido
Somente uma procura honesta pode identificar os valores perdidos de nosso lar.  E somente uma conscientização do Espírito Santo  nos fará ver que qualquer que seja o valor perdido nos fará falta.
Não negligencie seu lar e não o exponha a riscos. Abra teu coração e permita a Deus lhe mostrar a realidade de seu lar, talvez ela seja mais pobre do que você imagina.
Os valores que enriquecem um lar são o  amor, a harmonia, o companheirismo, o respeito, o diálogo, o carinho, o afeto, a alegria, a paz, a vida espiritual, a fidelidade, a honra, a boa reputação e a dignidade.
Fale com Deus sobre a dracma perdida em seu lar, sobre qual valor que você percebeu estar faltando. Ore pedindo ajuda de Deus para reencontrar os valores perdidos.

Veja agora algumas lições tiradas do texto que podem te orientar como encontrar a dracma perdida:

1ª) Decida ser o herói ou a heroína da sua casa
Não é pastor que dará jeito na sua casa, embora reconheço que
às vezes pode ajudar. Não será a vizinhança, nem os amigos de teus filhos, mas alguém lá de dentro do lar que esteja disposto a pagar o preço.
Veja o texto "eu perdi... eu achei" os verbos estão na primeira pessoa do singular o que significa que se em minha casa algum valor foi perdido eu, devo procurar e se foi na sua casa você deve procurar e desejar mais que qualquer um encontrar esta dracma perdida.
Você quer que alguma coisa seja restaurada em seu lar, você quer que algum valor seja encontrado? Então decida você mesmo ser a pessoa usada por Deus para esta missão. E não venha com a história que "santo de casa não faz milagre" porque na Bíblia está cheio de exemplos de pessoas que abençoaram seus lares.

2ª) Valorize os pequenos detalhes
A mulher tinha dez dracmas e perdeu apenas uma. Numa matemática simples ainda havia nove. Mas antes de perder a segunda, a terceira, a quarta, ela parou para "costurar a carteira". Parou para correr atrás do prejuízo.
É também verdade que nenhum casamento chega ao fim de uma hora para outra, sem motivos, também não é por falta de um "bom dia" que a coisa acaba.
Mas pequenos hábitos repetidos e enxertados no relacionamento vão desencadear em brigas, desconfiança, amarguras e por fim, o fim. Cuidado com os pequenos detalhes.

3ª) Não aceite a perda de alguns valores como natural
Diz o texto que a mulher procura a moeda perdida. Ela não se
sentou na cadeira do fatalismo e nem filosofou dizendo que "a vida é assim mesmo" ou "que todos os homens são iguais", ou "no casamento não dá para fugir da rotina". Ela foi à luta.

4ª) Humilhe-se e trabalhe para fazer mudanças
A Bíblia diz que a mulher para achar a dracma perdida "varreu
a casa". Quem sabe não é isso que sua casa precisa:
-         uma varrida nas palavras ruins;
-         Uma varrida em seu tempo para ver se sobre mais tempo para o cônjuge e os filhos ou quem sabe até para Deus.
-         Uma varrida em qualquer sentimento de orgulho que possa estar impedindo você de
servir aos que estão debaixo do mesmo teto. Troque um pouco de lugar com sua esposa ou com seu marido ou com seus filhos, talvez assim você consiga ver melhor suas necessidades.

5ª) Seja diligente
Encarne este propósito. Seja obcecado(a) por isso. Tenha como meta ter um lar dentro dos padrões de Deus. Não desista. A mulher do nosso texto procurou "até encontrar". Vale a pena, não desista!

6ª) Antes de tudo: acenda a candeia
Isto foi a primeira coisa que a mulher fez. No escuro fica
impossível procurar alguma coisa. Jesus disse "eu sou a luz do mundo". Um relacionamento sério com Jesus ilumina nossa história, nossa vida, nossa casa e é a base para encontrar as dracmas perdidas.

Eu pergunto: foi em tua casa que se perderam dracmas?
Ore Àquele que pode te ajudar a mudar o rumo do seu lar!



sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

MARIDO E ESPOSA - MELHORES AMIGOS


 ESTE É O IDEAL BÍBLICO PARA O RELACIONAMENTO CONJUGAL

Texto: Prov. 2:15-17; cf Gn. 2:18-20

Deus criou a mulher para ser uma companheira, uma auxiliadora, alguém que completa o que falta no homem (e vice-versa). Infelizmente, muitos homens encaram suas esposas não como “auxiliadoras idôneas”, mas como “ameaçadoras medonhas”. Preferem ter esposas que não questionam, não opinam, não discordam e não pensam. São maridos inseguros e egoístas, ameaçados por qualquer sucesso de suas esposas.
 Ao mesmo tempo, muitas mulheres não entendem a dignidade do seu papel no lar, menosprezando-o ou procurando uma libertação.

Precisamos reconhecer a preciosidade da união matrimonial e dos nobres papéis que Deus atribuiu ao homem e à mulher. Juntos, homem e mulher refletem algo precioso da imagem de Deus que somente se vê “em comunidade”: dois em um; duas pessoas distintas, mas unidas; diferentes, mas iguais; com funções específicas e igualmente dignas; com variedade de habilidades, mas unidade de propósito.

Além disso, a união marido-esposa reflete aspectos do amor incondicional de Deus para com seu povo como a paciência, misericórdia, graça, bondade, etc.
Que privilégio Deus deu a estes “melhores amigos”: refletir a glória divina através do seu próprio relacionamento!
O casal deve proteger seu relacionamento a qualquer custo, não por amor às crianças, não para garantir sua reputação diante dos parentes ou vizinhos, mas sim para refletir na terra a imagem de Deus! Cultivar esta amizade é uma tarefa que durará a vida inteira.

Porém, a família nem sempre se resume ao marido e a esposa.  Temos também os filhos.
Podemos resumir a responsabilidade que a Bíblia dá aos pais cristãos em duas palavras:
Criação (discipulado) e Correção (disciplina – veja Efésios 6:4).
Para cumprir esta responsabilidade, é necessário criar um relacionamento aberto, mutuamente respeitoso, num contexto de amor incondicional.

Sobretudo, passar tempo juntos, tempo de qualidade e tempo de quantidade.
Quase todos os textos que tratam da relação entre pais e filhos na Bíblia destacam a o papel fundamental dos pais (não da creche, não da prof. de EBD, etc) na transmissão de sua fé aos mesmos.
Enquanto os pais criam e corrigem seus filhos, precisam tomar cuidado para não provoca-los à ira. (Ef. 6:4, Cl. 3:21). Isto não significa que os pais devem fazer somente o que agrada os filhos.
Os pais são autoridade na vida de seus filhos; e a amizade é o alvo principal do processo de criação, não o ponto de partida.

Há muitas maneiras de os pais provocarem ou desanimarem seus filhos, como por exemplo:
Espancamento;
Disciplina com gritaria ou raiva;
Pegar no pé;
Negativismo (sempre criticar, nunca elogiar);
Conflito entre pais (autoridade dividida);
Comparações entre irmãos;
Ridicularização (envergonhar publicamente);
Ameaças (não cumpridas);
Regulamentos vagos, inconstantes, demasiados e sem exemplo de vida dos pais;
Falta de disciplina;
Falta de tempo para os filhos;
Falta de pedido de perdão quando os pais erram;
Conflitos conjugais;
Filhocentrismo (quando os filhos estão no centro do universo familiar, e não no relacionamento conjugal).

Se você se dispuser a colocar como alvo de sua vida proteger seu relacionamento conjugal a qualquer custo, cultivando um profundo companheirismo e amizade com seu cônjuge, e criar seus filhos na admoestação e na disciplina do Senhor, estará dando um grande passo para ter a família dos seus sonhos!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

DISPOSIÇÃO DE ESPÍRITO

"O rei Salomão deu à rainha de Sabá tudo o que ela desejou e pediu, além do que já lhe tinha dado por sua generosidade real. Então ela e os seus servos voltaram para o seu país.
I Re. 10:13

No séc. 6 ªC. não existia uma rede de divulgação de notícias sobre Salomão. As notícias da sabedoria de Salomão chegam a Sabá a quase 2.000 Km.
A rainha de Sabá desejou conferir pessoalmente as informações (Mt. 12:42). Nenhum esforço era grande demais e nenhum preço alto demais em se tratando de sabedoria.
Vivemos numa sociedade comodista, de recompensas instantâneas. Queremos obter todas as coisas sem esforço, e queremos já!
Esta rainha nos mostra uma disposição em sacrificar-se e empenhar-se, realizando o possível na tentativa de encontrar respostas para as questões da vida.
Se você deseja imitar a rainha de Sabá e ter um coração sábio siga alguns passos extraídos da Bíblia e continue a trilhar o caminho da sabedoria hoje...e pelo resto de sua vida.
Se você fizer isso, além de ser uma mulher que ama a Deus, também será uma mulher que possui as verdadeiras riquezas da sabedoria e do conhecimento:
1.      PEÇA: Tg. 1:5
2.      CRESÇA: 2 Pe. 3:18
3.      DESEJE: 1 Pe. 2:2
4.      BUSQUE: Cl. 3:1
5.      PENSE: Cl. 3:2
Trilhe este caminho, sabendo que Deus honrará seus esforços e a abençoará com Sua sabedoria.